VIADUTO EM BH
Concurso Público Nacional de Projectos de Arquitectura para Requalificação Urbana de Baixios de Viadutos em Belo Horizonte
Belo Horizonte, Brasil, 2013
Mar Arquitetura, Ivo Poças Martins
Images|Text

A construção de um novo viaduto na confluência das Avenidas Olinto Meireles e Afonso Vaz de Melo é encarada nesta proposta como uma oportunidade de potenciar os usos que já acontecem neste baixio.
Com a reformulação proposta, se possibilita o aumento da área actual de 1300m² para cerca de 3000m². Os programas já existentes- o ateliê do projeto “Escultórias” e a central de limpeza urbana, serão mantidos nesta proposta, realocados em um novo edifício de planta oval com a mesma área construída dos atuais. A escolha desta forma mais contida permite libertar uma área útil maior para a criação de uma praça coberta.
A nova Praça Coberta do Baixio, tendencialmente plana, receberá uma estrutura em metal e vidro entre os dois viadutos que permitirá o seu usufruto protegido do sol e da chuva. O pavimento sob estes dois viadutos será unificada e alargada por um redimensionamento das vias automóveis que a circundam. O material do pavimento será uniforme e drenante para um uso mais confortável.
Nestas circunstâncias, reúnem-se as condições para o suporte de atividades de encontro e lazer para cidadãos séniores em complemento das atividades do projeto “Escultórias” que já aqui têm lugar. Os seniores, que beneficiam de usufruto gratuito dos transportes públicos, poderão aqui encontrar um conjunto de mobiliário urbano para repouso e para a prática de jogos assim como dois ringues de bocha.
Integrado na nova estrutura de cobertura, deverá ser instalado um sistema de iluminação para que o espaço possa ser usado durante a noite, tanto pelos seniores como pelo Ateliê.
As escadas em concreto armado que permitem o acesso pedonal ao viaduto será libertado de construções e na sua base será criado um espelho de água. Este elemento tem como objectivo impedir usos indesejáveis sob esta estrutura e, sobretudo, destacar as qualidades escultóricas do seu desenho. O espelho de água servirá igualmente como regulador da temperatura da praça.
De modo a que o comércio local possa ser potenciado- venda de comidas e bebidas assim como de jornais e revistas, não se propõe a construção de nenhum estabelecimento de apoio dentro da própria praça.
O projecto “Escultórias” tem desenvolvido uma actividade artística que assenta na criação de objectos escultóricos mas também na construção de narrativas (estórias) para serem partilhadas. Espera-se que o público sénior possa contribuir ativamente neste projeto, juntando a ele a sua história e as suas estórias promovendo uma frutuosa troca inter-geracional.